Quantum Break está conectado de alguma forma ao mundo de Alan Wake

 Em uma apresentação conduzida na Cité des Sciences ET de l’Industrie em Paris, Sam Lake, diretor criativo da Remedy Entertainment, revelou mais detalhes sobre o processo de criação de Quantum Break. Segundo ele, o conceito de congelar tempo surgiu como parte das ideias para o desenvolvimento de Alan Wake 2 e passou por vários desenvolvimentos até se tornar a ideia principal do novo game.
 Lake também indicou que a parte live action do título exclusivo para Xbox One vai mostrar algumas ligações com o universo de Alan Wake e mostrar de alguma forma o que está acontecendo por lá. O diretor criativo também garantiu que o novo jogo é muito mais do que uma simples iteração de projetos anteriores, mas sim o resultado de tudo o que a Remedy aprendeu nos últimos anos e dos elementos que constituem a identidade do estúdio.
 Ele acredita que tudo tem que servir a um propósito, o que significa que cada elemento do game e do show televisivo que o acompanha estão ali por um motivo bem específico. Lake acredita que é muito importante que as decisões que o jogador faça em Quantum Break se tornem parte da ficção que está sendo mostrada — não há decisões erradas, mas sim diferentes meios de lidar com o que a trama apresenta (contanto que você esteja preparado para lidar com as consequências de suas ações).

Criando um jogo e uma série

 O diretor criativo afirma que sua equipe aprendeu muito durante o desenvolvimento da série live action, visto que seu processo de produção é bem diferente daquele seguido por um game. Graças a isso, a Remedy formou o maior time de escritores de toda a sua história, sendo que dois deles foram contratos exclusivamente para trabalhar no novo jogo — além deles, o estúdio conta com a ajuda de profissionais da Microsoft e da Lifeboat Productions, que tiveram que trabalhar duro para definir quais os papéis do jogo e da série na narrativa que foi criada.
 Lake explicou que a série só começou a ser desenvolvida depois que o jogo estava em um processo adiantado de produção, sendo que os figurinos usados nele serviram como direcionamento para a imagem dos atores reais. O processo de criação foi complicado, já que a Remedy fez questão que as duas experiências trabalhassem de forma integrada e não parecessem duas entidades separadas.
 O diretor criativo também afirma que acredita que há várias maneiras de aprimorar a experiência de Quantum Break, já que seu desenvolvimento foi marcado por um processo de aprendizado constante. Por fim, questionado sobre a possibilidade de uma versão para PC ser lançada, ele simplesmente disse que não havia nenhum comentário a ser feito sobre isso no momento.

Esse perfil e de propriedade de glaucio (glau), mais e ultilizado pela equipe que trabalha no site. Twitter: @tecworldk. Whats: (+55) 11-958602911 (Duvidas).

Compartilhe e Divulgue o Site! :)

Inscreva-se e Receba todas as Notícias no seu Email.

Postagens Relacionadas

Comente, Pergunte, Avalie. Estamos pronto pra Responder sua Duvida.